Buscar
  • Mateus Costa Provinciano

VEJA COMO FOI O DESEMPENHO DO TIME BRASIL NO PARAPAN-AMERICANOS


O Brasil voltou de Lima, no Peru, com a sua melhor campanha da história em jogos Parapan-Americanos. Foram 308 medalhas conquistadas no total.

Primeiro o time Brasil se destacou nos jogos Pan-Americanos, terminando a competição em segundo lugar após 56 anos. Depois, o Brasil se sagrou como "campeão" dos jogos Parapan-Americanos, com uma pontuação incrível.

O Brasil terminou a competição como líder no quadro de medalhas pela quarta vez seguida em sua história. Além disso, nossos atletas superaram o número de medalhas de ouro recorde em um Parapan-Americano. Antes o recorde era do México com 121 medalhas, mas nesta edição o Brasil terminou o Pan com 124 medalhas de ouro.

O segundo colocado do Parapan-Americano foi os Estados Unidos. Os norte-americanos terminaram a competição com 58 ouros. O Brasil teve 66 medalhas de ouro a mais que os EUA.

Ao fim da competição o time Brasil se despediu de Lima no Peru com 124 ouros, 99 pratas e 85 bronzes, com 308 medalhas no total.

Para que nossos atletas tenham esses resultados são necessárias duas coisas fundamentais: dedicação e o acompanhamento de profissionais de Fisioterapia.

Profissionais de Fisioterapia acompanham os atletas antes, durante e depois das competições.

A Fisioterapia cresceu muito, tanto em competições Paraolímpicas quanto em competições Parapan-Americanas. Na Paraolimpíada de 1996 nos Estados Unidos o time Brasil tinha apenas 2 profissionais em Fisioterapia, já em 2015 no Canadá, o Brasil contava com 24 Fisioterapeutas. E esse número tende a crescer nos próximos anos.

Esses profissionais trabalham principalmente para promover a reabilitação dos pacientes como também para a prevenção de futuras lesões que podem surgir.

Atletas Paralímpicos tem lesões com mais frequência. Encurtamentos musculares, déficits de força, discrepância de membros entre outros problemas.

O principal objetivo dos Fisioterapeutas nesses casos é diminuir o risco de lesões esportivas e realizar toda e qualquer tipo de adaptação para a deficiência em questão de cada atleta, dentro de cada modalidade. Por isso, que a Fisioterapia Esportiva atua de forma certeira na biomecânica do esporte e do gesto esportivo da modalidade em questão.

Exercícios terapêuticos e adaptações à próteses e cadeiras de roda, por exemplo, podem ajudar esses atletas a diminuírem a incidência de lesões e melhorar e muito a performance esportiva.

A fisioterapia vai além da reabilitação, ela devolve a vontade de viver e de praticar esportes que você nunca imaginou!

Foto: Washington Alves / CPB / CP


4 visualizações